21 de julho de 2021

Afinal, o que é um ativo imobiliário?

Para investir em imóveis, não é necessário descapitalizar, gastando uma quantia considerável em um apartamento, casa ou empreendimento ainda em construção. Nesse sentido, a divisão em cotas é uma ótima alternativa para obter rendimentos, com aportes de valores bem mais baixos. Mas onde entram os ativos imobiliários nisso?

Certamente, ao pesquisar sobre FIIs, você se deparou com o termo ativo imobiliário

Mas você sabe o que são ativos imobiliários e as características deles? Acompanhe este post para acrescentar mais esse ponto ao seu conhecimento sobre finanças!

O que é um ativo imobiliário?

O ativo imobiliário nada mais é do que o bem em si – em outras palavras, são os imóveis tangíveis ou os contratos relacionados a fundos imobiliários. Entenda como imóveis os prédios, apartamentos, terrenos, casas, pontos comerciais, shoppings, hospitais etc. Já os contratos que se relacionam com os imóveis são as Letras de Crédito Imobiliário (LCIs), os Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs) e as Letras Hipotecárias (LHs).

Os fundos imobiliários são fundos fechados, ou seja, com um número limitado de cotistas. Nessa opção, os investidores podem ganhar de duas maneiras: por meio de rendimentos (aluguéis gerados pelos imóveis) ou da valorização da cota (o imóvel ganha mais valor de mercado e, consequentemente, a cota também).

Vantagens de investir em fundos imobiliários

Trazer FIIs para a sua carteira é uma maneira segura e rentável de investir em ativos imobiliários. Uma das principais vantagens dessa modalidade é a isenção do Imposto de Renda. Isso pode fazer muita diferença na hora de acertar as contas com o Leão e de aferir os rendimentos reais do investimento.

Além disso, a valorização do imóvel traz como consequência a valorização de cada cota. Ou seja, se você comprou uma cota de um imóvel de R$ 500.000,00, mas que hoje é avaliado em R$ 750.000,00, a sua parcela nesse empreendimento também vale mais.

Outro ponto bastante interessante é que os ativos imobiliários são cuidados por um administrador, o que certamente ajuda a ganhar tempo e evita dor de cabeça, favorecendo principalmente os investidores que têm a agenda muito cheia ou que não têm muita paciência para cuidar diretamente dos investimentos.

Comportamento dos fundos dentro do mercado imobiliário

Os fundos imobiliários são indicados para investidores de perfil conservador e com objetivos a longo prazo. No entanto, geram renda variável.

Eles são negociados diretamente na bolsa de valores, o que permite o acompanhamento da valorização (ou queda) em tempo real – por isso, são uma opção transparente de investimento.

Ao mesmo tempo, é preciso tomar cuidado com alguns detalhes acerca dos FIIs:

  • não há cobertura do Fundo Garantidor de Créditos (FGC);
  • há riscos de vacância, período em que o imóvel fica sem locador, afetando o rendimento mensal do investidor;
  • requer avaliação das taxas de gestão, que, quando muito altas, prejudicam o lucro do investidor.

Exemplos de investimentos

Pense em um empreendimento de alto padrão ou então em um shopping bastante badalado da sua cidade. Comprar esse lugar requer um aporte inicial muito alto, que talvez você não tenha ou simplesmente não queira alocar em um só imóvel. Sendo assim, a compra de cotas desse ativo imobiliário é a melhor maneira de participar dos rendimentos e da valorização do espaço, com aportes bem mais baixos.

Talvez você prefira realmente comprar um apartamento e usá-lo apenas para locação. Para uma boa escolha, é preciso se atentar à localização, escolhendo um bairro que tende a valorizar. Porém, essa decisão traz alguns contras, como a responsabilidade com a manutenção do imóvel, uma possível inadimplência do locatário ou a vacância, que já citamos.

Por esses motivos, apostar em um ativo integrante de um fundo imobiliário é uma opção interessante. Mesmo que os ganhos sejam menores, as responsabilidades e os riscos de prejuízo também o são.

Fundos de papel

Outra opção é a compra de ativos em papéis. Esses títulos têm características similares às da renda fixa, com remuneração determinada na emissão e calendário de pagamento de juros e amortização. Porém, como se trata de um ativo variável, os valores oscilam na bolsa.

Esses ativos geram recebíveis imobiliários, que são a antecipação do valor de um aluguel, hipoteca ou financiamento. Confira as características de cada um.

  • Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs): são parcelas de financiamento de imóveis vendidas pelos bancos. O banco financia a construção de um imóvel e vende essa dívida para a securitizadora, que divide os juros desse parcelamento em cotas. Quem compra a cota recebe esses juros.
  • Letras de Crédito Imobiliário (LCIs): possuem um mecanismo semelhante aos CRIs, porém, nesse caso, o próprio banco que faz o financiamento é quem assume o papel da securitizadora.
  • Letras Hipotecárias (LHs): emitidos apenas por instituições financeiras, esses títulos são direcionados exclusivamente às hipotecas.

Para diminuir os riscos dos ativos em papéis, vale diversificar os investimentos. Como em qualquer ação para fazer o dinheiro render, aqui também vale a máxima: não coloque todos os ovos na mesma cesta.

Como a Mérito contribui para os seus investimentos

Entendeu o que é um ativo imobiliário e o que ele pode representar dentro da sua carteira de investimentos? Lembre-se sempre de avaliar os seus objetivos para escolher como aportar as suas economias.

Conte também com a ajuda da Mérito na hora de gerir os seus ativos. Garantimos transparência, competência e preços coerentes com o mercado. Entre em contato com a gente!

Voltar